Criado em 02 Dezembro 2019

Um jovem de 18 anos tentou fugir de uma abordagem da PM (Polícia Militar) e acabou disparando um tiro de revólver contra si mesmo na noite de sexta-feira (29) em Santo Antônio da Platina (Norte Pioneiro). O disparo acidental acabou atingindo de raspão o rapaz na virilha e no pênis.

De acordo com o 2° BPM (Batalhão de Polícia Militar), responsável pela área de Santo Antônio da Platina, policiais foram até uma UBS (Unidade Básica de Saúde) no bairro Álvaro de Abreu após receberem informações de que um foragido da Justiça estava escondido no local.

Um grupo de oito pessoas que estava na UBS fugiu por um corredor que dava acesso a uma outra rua ao avistarem a viatura policial. Ainda segundo a PM, os oficiais ouviram um disparo de arma de fogo ao desembarcarem do veículo e foram em direção aos fugitivos.

Os policiais conseguiram abordar o grupo e foi verificado que um dos rapazes, um homem de 18 anos, havia sido baleado. Segundo o relato do jovem à PM, ele efetuou um disparo acidental quando tentou se desvencilhar do revólver. O tiro acabou pegando de raspão em sua virilha e pênis. Ele foi encaminhado ao Pronto Socorro para atendimento médico e posteriormente à Delegacia de Santo Antônio da Platina.

As outras sete pessoas abordadas foram advertidas e liberadas. O foragido da Justiça não foi encontrado. O revólver utilizado foi dispensado pelo jovem no local e também não foi encontrado.

Divulgação/Polícia Militar

 
Criado em 02 Dezembro 2019

Uma mulher grávida de sete meses e sua mãe foram agredidas por um homem de 23 anos, marido da vítima gestante, na noite de sábado (30) em uma residência na zona norte de Londrina.

Conforme a PM (Polícia Militar), a mulher teria iniciado uma discussão com seu marido após questioná-lo sobre o uso de drogas na casa. O rapaz ficou nervoso e começou a agredir sua esposa grávida com socos no rosto, quebrando dentes da vítima. A sogra do agressor tentou interromper o espancamento, mas também levou socos e chutes no rosto.

O Siate (Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência) foi acionado para prestar atendimento médico às vítimas que, posteriormente, foram encaminhadas ao HU (Hospital Universitário) de Londrina. O suspeito fugiu antes da chegada da polícia.

 

Divulgação/PM

 
Criado em 29 Novembro 2019

Direito, Educação Física, Administração, Serviço Social, Engenharia Civil e Nutrição são alguns dos cursos escolhidos por 84 presos em unidades do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR) em Londrina, na região Norte, que farão a prova da segunda etapa do vestibular da UEL neste domingo e segunda-feira (01 e 02). Eles já foram aprovados na primeira fase do exame classificatório e se passarem agora poderão cursar o Ensino Superior na instituição.

Em três cidades de Londrina, Penitenciária Estadual I e II (PEL I e II) e Centro de Reintegração Social (Creslon), cursam o Ensino Médio 272 presos. Além disso, no segundo semestre deste ano, entre julho e novembro, 30 detentos participaram de um curso preparatório promovido pela UEL, em parceria com a regional de Londrina do Departamento Penitenciário do Paraná e com o Conselho da Comunidade do município.

"A reinserção dos presos ao mercado de trabalho depende de estudo e profissionalização e não há melhor forma de fazer isso senão através de um curso de Ensino Superior e da própria experiência laboral dentro das unidades”, destacou o secretário da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares.

Ele afirmou que o Estado procura fornecer o suporte necessário para que os detentos busquem um caminho melhor do que o que os levou para dentro do sistema penitenciário.

REGRAS - Os presos que tentam o vestibular da UEL fazem as provas no mesmo momento em que os não privados de liberdade. "A aplicação e os critérios para aprovação seguem as regras e determinações da UEL. Apenas o local é diferente, já que as provas são realizadas dentro das Unidades Penais com aplicadores da própria universidade”, afirmou o coordenador regional de Londrina, Reginaldo Peixoto.

No total, 191 detentos se inscreveram para fazer a prova. Uma vez aprovados, os presos poderão cursar o Ensino Superior com tornozeleira eletrônica.
Dos 84 aprovados na primeira fase, 52 são da PEL II, outros 20 são da PEL I, e 11 da Creslon. Uma está custodiada no 3º Distrito Policial.

Os cursos escolhidos pelos presos foram: Administração; Agronomia; Ciências Biológicas; Ciências Contábeis; Ciências Sociais; Direito; Educação Física; Enfermagem; Engenharia Civil; Física; Fisioterapia; Geografia; História; Letras; Matemática; Nutrição; Pedagogia; Psicologia; Química; Serviço Social e Zootecnia.

"Além do vestibular da UEL nas Unidades de Londrina, as pessoas em privação de liberdade dos outros estabelecimentos prisionais do Estado tem a possibilidade de fazer o Curso Superior por meio do Enem-PPL.

60 PRESOS - Contamos com 60 presos cursando a Educação Superior, conforme estatística do mês de outubro, e destes, 25 cursam a distância nos estabelecimentos prisionais que possuem Telecentro (Laboratório de Informática),” destacou a coordenadora do Setor de Educação, Janaína Luz.
Bonde
Arquivo AEN
 
Criado em 29 Novembro 2019

Com a passagem da frente fria que trouxe chuvas nos últimos dias, Londrina deve ter um fim de semana ensolarado e com temperaturas elevadas, conforme Angela Beatriz Costa, agrometeorologista do Iapar (Instituto Agronômico do Paraná).

"As áreas de instabilidade já se afastaram em direção ao Sudeste do Brasil e agora devemos ter tempo estável nos próximos dias”, afirma a agrometeorologista.

"As temperaturas também devem se elevar e passar dos 30°C no fim de semana”, acrescenta.

Nesta sexta (29), a mínima registrada foi de 16.3°C e a máxima deve chegar até 29°C. Os termômetros devem variar entre 18°C e 32°C no sábado (30) e 20°C e 33°C no domingo (1°).

Não há previsão de chuva para os próximos dias. Portanto, novembro deve fechar com volume de chuvas abaixo da média histórica. Ao todo, choveu 130 mm (milímetros) em novembro deste ano, enquanto a média é de 166 mm.

É o quinto mês consecutivo que Londrina não alcança a média histórica. Em dezembro, são esperados 204 mm de precipitação acumulada.

 

 
Criado em 19 Setembro 2019

Mais uma cadeia pública será construída em Londrina, que vai receber uma das quatro unidades anunciadas pelo Governo do Paraná nesta quarta-feira (18). O Estado confirmou que serão 3.000 novas vagas no sistema prisional. A expansão do sistema foi anunciada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior em solenidade no Palácio Iguaçu. Também foram anunciadas três novas delegacias. O investimento soma R$ 81 milhões.

Além de Londrina, Guaíra e Foz do Iguaçu (Oeste) e Ponta Grossa (Campos Gerais) receberão novas cadeias. Já as três delegacias serão entregues na Região Metropolitana de Curitiba: Araucária, Almirante Tamandaré e Colombo.

As obras das cadeias públicas estão em andamento desde o começo deste mês e têm previsão de entrega para o segundo semestre de 2020. O investimento é de R$ 69 milhões para o Depen (Departamento Penitenciário do Paraná) – a maior parte dos recursos de um convênio com o Governo Federal, com contrapartida do Tesouro Estadual.

Além de Londrina, Guaíra e Foz do Iguaçu (Oeste) e Ponta Grossa (Campos Gerais) receberão novas cadeias. Já as três delegacias serão entregues na Região Metropolitana de Curitiba: Araucária, Almirante Tamandaré e Colombo.

As obras das cadeias públicas estão em andamento desde o começo deste mês e têm previsão de entrega para o segundo semestre de 2020. O investimento é de R$ 69 milhões para o Depen (Departamento Penitenciário do Paraná) – a maior parte dos recursos de um convênio com o Governo Federal, com contrapartida do Tesouro Estadual.
 
O governador destacou que assumiu o Estado com o maior número de presos em delegacias do País e salientou que isso precisa ser equacionado para promover tratamento penal adequado e liberar os policiais para atuarem no combate ao crime. "Ao longo do tempo o Paraná acabou não construindo cadeias públicas. Agora faremos esses grandes investimentos para esvaziar as delegacias”, disse Ratinho Junior. "Queremos diminuir esse déficit e ampliar a construção de presídios, o que, inclusive, discuti com o ministro Sergio Moro, da Justiça e da Segurança Pública, na sua recente vinda ao Paraná, na segunda-feira (16)”.
Ratinho Junior destacou ainda que o Paraná planeja projetos a médio prazo para reforçar as políticas de execução penal, com intuito de preparar o retorno para a sociedade. "O objetivo é que os presos trabalhem mais, porque começam a aprender uma profissão e podem tocar a vida quando em liberdade. Além disso o trabalho acelera a progressão de pena. Os presos vão reformar mais escolas, fazer pavers e calçamento para poder doar para os municípios. Tudo isso está sendo pensado para ajudar a execução penal”, complementou.

EQUILÍBRIO

Todas as quatro cadeias públicas têm o mesmo padrão, com capacidades para 752 novas vagas. Essas unidades são parte de um programa de 15 obras, entre construções e ampliações, para o sistema prisional estadual. Quando concluídas, serão em torno de 6 mil novas vagas. O Depen fará concurso público para contratação de agentes penitenciários para atender essa demanda.

O secretário da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, afirmou que há mais de dez anos não se construía uma cadeia pública no Paraná e que o intuito dos investimentos é dar equilíbrio ao sistema penitenciário. "Cada um com seu espaço adequado, sem superlotação. As cadeias vão nos dar um fôlego, mas ainda não são suficientes. Elas são parte de um planejamento que vai deixar o sistema penitenciário paranaense mais equilibrado”, disse o secretário. "Quando tivermos tudo equacionado, a Polícia Civil vai passar a se dedicar à sua função original”.
 
De acordo com o diretor do Depen, Francisco Caricati, as novas unidades vão receber prioritariamente os presos provisórios. "A questão de excedente nas cadeias não se resuma a vagas. Envolve tratamento penal, julgamento dos presos, é tudo muito complexo. Estamos trabalhando na frente de construção de presídios, mas também na ressocialização, para ele sair de forma qualificada”, informou.

PARCERIA

Para o presidente do TJPR (Tribunal de Justiça do Paraná), desembargador Adalberto Xisto Pereira, o trabalho no sistema penitenciário deve ser realizado com várias mãos para dar respostas aos gargalos históricos nessa área. "Há políticas públicas que são comuns aos
Três Poderes. Um dos problemas críticos do Paraná e do Brasil inteiro é o sistema penitenciário. O governador não tem medido esforços para resolver essa questão”, comentou.

DELEGACIAS

O pacote de obras também conta com três novas unidades para a polícia judiciária, com investimento de cerca de R$ 12 milhões. Elas serão custeadas com recursos financiados pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento).

As unidades serão do padrão II de delegacia, com 1.290,35 metros quadrados, e custarão cerca de R$ 4 milhões. Elas permitirão fornecer um melhor atendimento à população paranaense, separando pessoas em vulnerabilidade, como crianças, idosos e mulheres, do público geral. As delegacias também terão salas de delegados e de reuniões e demais departamentos administrativos, além de sala de atendimento ao público, plantão, investigação e cartório.
 
A futura delegacia do Alto Maracanã, de Colombo, substituirá a estrutura que funciona atualmente no mesmo bairro, mas em prédio alugado. O terreno foi doado pela Prefeitura de Colombo. Haverá economia de cerca de R$ 9,9 mil mensais com aluguel. "É uma obra de fundamental importância para a cidade, moderna, dentro de uma área bem localizada. Colombo terá um grande avanço na área de segurança pública”, disse a prefeita Beti Pavin.

Em Almirante Tamandaré será erguida uma Delegacia Cidadã, modelo de atendimento com espaços específicos e reservados para separar vítimas de agressores e possibilidade de auxílio de assistentes sociais e psicólogos, quando necessário. Gerson Colodel, prefeito do município, disse que a obra terá 1,5 mil metros quadrados e custará cerca de R$ 4,3 milhões. "A delegacia da cidade é de 1937, muito antiga. Além de espaços para atendimento de mulheres e crianças, a nova unidade trará condições melhores para os profissionais da Polícia Civil atenderem a comunidade”, afirmou.
 
Já a Delegacia de Araucária funciona em sede própria, mas vai começar a funcionar em um novo prédio, que será construído na Rua Santa Catarina, 580. A nova unidade contará com estrutura física quatro vezes maior do que a atual.

MAIS OBRAS

O Governo do Paraná deve inaugurar ainda neste ano duas novas unidades prisionais, com previsão de abertura de mais de 500 novas vagas no sistema prisional. As obras da Cadeia de Campo Mourão (382 vagas), Centro de Integração Social Piraquara (216 vagas) devem acabar até dezembro.

Para os próximos anos já estão projetados as ampliações da Penitenciária Estadual de Piraquara II (501 vagas), da Penitenciária Estadual de Foz do Iguaçu I (501 vagas), Cadeia Pública de Piraquara (334 vagas), da Penitenciária Estadual de Piraquara I (501 vagas) e da Penitenciária Industrial de Cascavel (334 vagas), o Centro de Integração Social de Campo Mourão (216 vagas) e a Cadeia de Jovens Adultos de Piraquara (382 vagas).

Essas obras, aliadas às quatro novas cadeias públicas anunciadas nesta quarta-feira, possibilitarão um incremento de cerca de 6 mil novas vagas no Paraná. Também serão construídas novas cadeias públicas em Umuarama e União da Vitória. As licitações devem ocorrer a partir do ano que vem.
 
Jaelson Lucas / AEN
 
Bonde
 
 
 
 
 
 
 
Criado em 19 Setembro 2019

Policiais civis prenderam na última terça-feira (17), no jardim Universidade (Zona Oeste) de Londrina, um homem de 27 anos que furtou uma piscina de fibra em uma fábrica situada na PR-445 no início do mês de setembro.

Segundo a Polícia Civil, a piscina estava sendo instalada na casa do detido, que confessou a autoria do furto. No local, já tinha sido feito até o buraco para a instalação do produto. Além do material furtado, os policiais encontraram, no quintal da residência, uma pistola calibre 22, que estava escondida em meio às lajotas.

O homem foi preso pelo crime de furto qualificado e por posse ilegal de arma de fogo.

 

Divulgação

Bonde

 
Criado em 21 Agosto 2019

O juiz Alberto José Ludovico decretou na tarde desta terça-feira (20) a prisão preventiva de um jovem de 25 anos que bateu e ameaçou de morte a própria mãe, uma mulher de 41 anos. O caso aconteceu na tarde da última segunda (19) no centro de Rolândia. A vítima foi agredida no meio da rua depois que negou do rapaz de levar objetos de casa. Vizinhos viram a confusão e chamaram a Polícia Militar, que prendeu o suspeito.

 



Na delegacia, ele preferiu não falar nada. Já a mãe, em depoimento, descreveu a relação turbulenta dos dois. Contou ao delegado Bruno Silva Rocha que "já foi xingada e agredida outras vezes, mas não denunciou porque ficou com dó. Ele sempre é agressivo quando está sob efeito de drogas e bebida. Quando saiu hoje (domingo) de casa, estava tudo normal, até mesmo pediu benção", disse.



Segundo o relato obtido pelo Bonde, o rapaz voltou às 15h gritando e mandando a mulher abrir a porta. "Ele pegou um martelo, mas consegui fugir. Tentou ainda me afogar apertando a garganta para que não pudesse gritar. Fiquei bastante inchada. Enquanto isso, ele falou que me mataria e colocaria fogo na residência. Mesmo com a polícia aqui, tentou me agredir de novo", observou. 

De acordo com a Polícia Civil, o jovem tem passagens por ameaça e posse de drogas para consumo pessoal. O interessante é que em 9 de agosto deste ano, exatos 10 dias antes de agredir a mãe, ele havia sido solto da cadeia de Rolândia. Na ocasião, foi preso por ameaçar o irmão com um facão. 

"Já está demonstrado que a medida cautelar diversa da prisão, como a tornozeleira eletrônica, não é suficiente para inibir novas ações delituosas", disse o juiz Ludovico na decisão. O inquérito policial ainda não foi concluído.

Rafael Machado - Grupo Folha

Filho que ameaçou e bateu na própria mãe continua preso

 

 

 
Criado em 26 Julho 2019

Uma perseguição policial que começou em Londrina no início da tarde desta sexta-feira (19) terminou com dois homens mortos no Km 165 da BR-369 em Cambé (região metropolitana de Londrina). 

Reprodução/PM

 

Segundo informações repassadas pela PM (Polícia militar), a equipe da Rotam (Rondas Ostensivas Tático Móvel) avistou a dupla em atitude suspeita em uma motocicleta na avenida Brasil e deu sinal para pararem o que, conforme a PM, não foi obedecido. Foi iniciado um acompanhamento tático e, quando os policiais se aproximaram dos acusados, já em Cambé, os suspeitos apontaram armas para a equipe, e a troca de tiros foi iniciada.

Os dois homens tinham idades aproximadas entre 25 e 35 anos. Com eles, foram encontrados cinco tabletes de maconha, 130 gramas de cocaína, 2 revólveres calibre 38 com 12 munições, além de aparelhos celulares e dois mil pinos de cocaína.
 
Os corpos foram encaminhados para o IML (Instituto Médico-Legal) de Londrina e até o fim da tarde não foram identificados.
 
Bonde 
 

 

 
Criado em 04 Junho 2019

Desde o nascimento das gêmeas Ana Sophia e Maria Clara, há dois anos, a família Ferreira Lisboa, de Londrina, tem vivenciado momentos de muita expectativa. Um em especial aconteceu na manhã de segunda-feira (3), quando elas escutaram pela primeira vez. “A gente nem dormiu direito. Estávamos contando os dias para isso”, diz o pai Lúcio Lisboa Alves, com Ana Sophia no colo. Ela foi a primeira a ter o processador ativado.

A fonoaudióloga Ana Paula Akaishi Santana explicou aos pais todo o funcionamento do implante coclear e também estava na expectativa de ver a resposta das crianças diante dos estímulos enviados por um sistema no computador.  Ana Sophia teve uma reação bastante comum entre as crianças: ela chorou ao ouvir os primeiros sons. Já Maria Clara gostou da experiência de imediato, sorrindo. Mas foi o sorriso largo dos pais que definiu bem o valor deste momento.

Eles estavam felizes em chamá-las pelo nome e serem atendidos com um olhar, uma virada de pescoço. A emoção é tamanha que a alegria se transforma em uma salva de palmas na sala da fonoaudióloga. "Esperamos que elas se desenvolvam bem. O implante veio para somar. O ouvir é muito importante, não só pelo aspecto da comunicação, mas também para o caminhar porque também tem relação com o equilíbrio”, diz a mãe Thayla Ferreira Lisboa.

Em poucos minutos, a pequena Ana Sophia já se divertia ao som do copo de plástico e Maria Clara estava animada em jogar todos os brinquedos no chão. “É como se elas estivessem nascendo de novo hoje. Vamos ter que trabalhar todas as palavras, os sons. Minha maior expectativa é para a primeira palavra, que acredito que será papai”, brinca Alves.

BÊ-A-BÁ

A fonoaudióloga explica que a partir de agora as gêmeas deverão ser estimuladas o tempo todo, em casa e nas sessões de reabilitação. “Elas terão que aprender o que estão escutando, desde um barulho de porta, a voz feminina da mãe, a voz masculina do pai, o som que o gato faz. Tudo isso vai ser gradativo e por meio de brincadeiras e imagens. Nosso objetivo agora é fazer que com elas desenvolvam a fala”, aponta.

Elas também farão visitas frequentes com a especialista para ajustes do processador. Aos poucos, o volume do acessório vai aumentando até que elas estejam totalmente acostumadas com os sons. No primeiro momento, elas estão escutando tudo em um volume bem baixo.

De acordo com Santana, o aprendizado da fala pode acontecer até os sete anos de idade, aproximadamente. “É um processo cognitivo. Se eu passo dessa idade, eu já não tenho mais a chance de fazer essa criança falar. Quanto mais tempo eu demoro para colocar esse implante, mais tempo eu perdi de estímulo para ensiná-la a falar”.

INDICAÇÃO

A otorrinolaringologista Marcela S. Cordeiro, que participou da cirurgia das gêmeas, explica que o implante coclear é benéfico tanto para crianças quanto adultos e que a indicação principal é para casos de perda auditiva severa, bilateral e quando não houve sucesso com um aparelho auditivo convencional. “Quando a criança nasce com perda auditiva, o ideal é que o implante seja colocado até os dois anos de idade. Por volta do primeiro ano, se o diagnóstico já foi fechado, a gente já começa a pensar em implantar”, afirma.

No caso de Ana Sophia e Maria Clara, a perda da audição foi causada pela prematuridade extrema. Elas nasceram com 25 semanas e tiveram que permanecer internadas por meses. “Fizemos o teste da orelhinha que apontou uma alteração. Repetimos depois de alguns dias, fizemos exames mais específicos e fomos encaminhados para uma clínica. Elas foram acompanhadas durante meses porque existia a possibilidade da perda auditiva ter relação com a imaturidade das conexões nervosas e, por isso, aguardamos até os dois anos para colocar os implantes”, conta a mãe.

O IMPLANTE

A cirurgia para a colocação do implante consiste basicamente em um corte atrás da orelha. O implante é composto por 22 eletrodos e é inserido dentro da cóclea para substituir as células ciliadas que não estão funcionando. Dessa forma, o som captado pelo processador (componente externo) passa direto pela parte danificada do ouvido estimulando o nervo auditivo. Esse componente fica acoplado no crânio do paciente atraído pelo implante por magnetismo.

“O processador externo vai captar o som e transformá-lo em informação para dentro desse eletrodo que está na cóclea”, resume a médica. A ideia é que o implante dure a vida toda, sem necessidade de troca. Para que o paciente possa ter contato com a água, existe um suporte de proteção para a parte externa.

A ativação do processador só ocorre um mês após a colocação do implante. Nesse momento, a fonoaudióloga verifica a reação do paciente, se os estímulos sonoros não estão gerando incômodo a ele e se não há choro excessivo.

 

 
Criado em 25 Maio 2019
Policiais militares do 5° Batalhão receberam uma denúncia na tarde desta sexta-feira (24) de que na rua Pedra Verde, J. Ideal, estava ocorrendo uma movimentação estranha e intensa de pessoas suspeitas que entravam e saiam em uma casa. Os suspeitos poderiam estar envolvidos com roubos a banco, tráfico de armas ou drogas.
Policiais foram para o local e se depararam com três homens que receberam voz de abordagem dentro da casa.  Segundo os PMs,  os homens empunhavam armas de fogo e desobedeceram a ordem para largar as armas e as apontaram para eles. Diante da iminente e grave ameaça, disparos foram efetuados pelos policiais para cessar a ação dos homens. Após serem feridos, o socorro foi acionado para aqueles homens e as equipes do Siate e do Samu acabaram constatando o óbito de Jose Fernandes Pinho de Oliveira, 32 anos, do André Henrique Picoli, 31 anos, e de um outro homem ainda não identificado. Estes dois homens identificados possuíam passagens pela polícia.
Na casa foram encontrados diversos tabletes de maconha e dentro de um veículo VW/Gol estacionado no quintal da casa mais alguns tabletes da mesma substância no porta malas e no banco traseiro deste carro. Não se sabe ao certo se o veículo estava trazendo ou levando parte desta droga.
Três armas de fogo que estavam com os criminosos foram apreendidas: 2 revólveres e uma pistola. Todas carregadas com munição.
Estiveram no local o Instituto de Criminalística, a Polícia Civil e o IML.
Agora a Polícia Civil investigará os crimes cometidos pelos criminosos envolvidos na ocorrência e o comandante do 5° BPM instaura um inquérito policial militar para apurar a ação dos policiais militares.
A estimativa desta grande apreensão de drogas é de que pese pelo menos 200 kilos.
Há suspeita de que estes homens pertencessem a alguma facção criminosa organizada para estarem portando essas armas que serviam para defender essa grande quantidade de droga.
Esta  é a maior apreensão de drogas feita esse  ano pelo 5° BPM.
 
 


Texto: Tenente Emerson Castro,
Comunicação Social do 5° BPM.
 
 

Pagina 1 de 11

<< Iniciar < Ant 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próx > Fim >>